Governo lança site para estimular ‘educação financeira’ da população

Educação permite que pessoas façam planejamento do longo prazo, dizem organizadores. Argumentam que mais conhecimento pode contribuir para formação de poupança.
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o Banco Central, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) e a Secretaria de Previdência Complementar (SPC), que formam um grupo de trabalho com o objetivo de desenvolver estratégias para educação financeira, colocaram no ar um site, com o nome de Vida e Dinheiro – www.vidaedinheiro.com.br, para ouvir as experiências da população e ajudá-las no seu planejamento financeiro.

`A educação pode atuar diretamente nas variáveis pessoais e sociais, contribuindo para formar ou amadurecer uma cultura de planejamento de vida, capaz de permitir que a pessoa, conscientemente, possa resistir aos apelos imediatistas e planeje no longo prazo as suas decisões de consumo, poupança e investimento`, dizem os organizadores no site.

Os órgãos governamentais que participam do grupo de trabalho dizem que as mudanças econômicas, sociais e tecnológicas dos últimos anos têm apontado para `urgência na implementação de ações com o objetivo de educar financeiramente a população, e não apenas no Brasil`. `No mundo inteiro, o mercado financeiro está cada vez mais sofisticado e novos produtos são oferecidos continuamente ao público`, avaliam.

Consciência de riscos e oportunidades
Os organizadores da página argumentam ainda que, por meio da educação financeira, consumidores e investidores `aperfeiçoam sua compreensão dos produtos financeiros e também desenvolvem habilidades e segurança para se tornarem mais conscientes dos riscos e oportunidades, para fazerem suas escolhas e para saberem onde buscar ajuda, melhorando assim a relação com suas finanças`.

`As medidas para proteger os consumidores dos produtos financeiros, por meio de regulação, fiscalização e sanção, serão tanto mais efetivas quanto maior for a sua sincronia com os esforços educacionais`, avaliam os organizadores.

Dizem ainda que a existência de `maior grau de conhecimento` de finanças pessoais tende promover uma inclusão mais ampla de segmentos da população que estejam à margem do sistema financeiro, além de contribuir para a formação de poupança.

Iniciativas já existentes
Segundo os organizadores, o portal também tem o objetivo de reunir as experiências de iniciativas de educação financeira já existentes no Brasil, formando, com isso, um `grande inventário nacional dessas ações`. `No site da ENEF há espaço para que quaisquer entidades ou pessoas físicas relatem sua experiência com o tema educação financeira desenvolvido no Brasil`, acrescentam.

Os integrantes do grupo de trabalho informam ainda que querem conhecer as iniciativas de educação financeira existentes em todo o território nacional. `O site foi criado com o propósito de conseguir registrar todas as ações e projetos de educação financeira em andamento. Para que isso aconteça o grupo de trabalho espera que as entidades que desenvolvam projetos deste tipo se cadastrem. Dessa forma o grupo terá condições de avaliar as possibilidades de integração e até de aproveitar as experiências bem sucedidas`, informam.

Pesquisa nacional
O grupo de trabalho informa ainda que realizará também outras iniciativas para perceber o nível de conhecimento da população brasileira quando o assunto é finanças pessoais e investimentos como, por exemplo, a realização de uma pesquisa nacional para analisar o grau de conhecimento da sociedade sobre finanças, já em andamento.

`A pesquisa será importante para balizar as propostas de trabalho que resultarão na estratégia de educação financeira, a ser apresentada pelo grupo até o final deste ano`, acrescentam.

Fonte: www.endividado.com.br.

________________________________________________________________________________________________________